Página inicial > Notícias > Micro e pequena empresa podem ser o pulo do gato para exportações (...)

Micro e pequena empresa podem ser o pulo do gato para exportações brasileiras

sexta-feira 28 de outubro de 2016, por Alampyme

O esforço de exportação não passa apenas pelas grandes corporações. As micro, pequenas e média se empenham em abrir novos mercados.

Com participação de pouco mais de 1% da corrente mundial de comércio, o Brasil vem tentando aumentar sua participação nas trocas globais através de uma nova política comercial baseada em parcerias e incentivos que minimizem a onda protecionista que se abateu sobre o mundo nas últimas décadas.

Essa maior integração, contudo, esbarra em velhos e conhecidos problemas no país como deficiências de infraestrutura e logística, alto custo do transporte, burocracia e carga tributária. Atualmente, o Brasil abriu frentes importantes para destravar importações e, principalmente, exportações, com a assinatura de acordos e protocolo de intenções com parceiros importantes como Japão, China, México e Índia. Os esforços estão centrados agora na União Europeia onde países como Holanda, França e Irlanda, adotam políticas fortemente protecionistas, em especial nas commodities agricolas.

O esforço de exportação, contudo, não passa apenas pelas grandes corporações. Também as micro, pequenas e média se empenham nesse esforço de abrir novos mercado. Uma das empresas especializadas em assessorar os empresários nesse esforço é a Tepcomex Assessoria, Consultoria em Comércio Exterior. Lá, a diretora de comércio exterior, Karina Schnaid, diz que a questão básica é se procurar uma abertura melhor nas negociações internacionais, o que, muitas vezes, independe do apoio direto do governo. "Pode-se fazer uma proposta interna mesmo, não só governamental, por parte das próprias empresas e não depender somente de acordos e ações. É preciso sair dessa zona de conforto de conhecimento, buscar conhecer um pouco mais do funcionamento do mercado internacional. Essa cultura tem que ser um pouco mais difundida nas pequenas e médias empresas."

Segundo Karina, o empresário tem que voltar os olhos para um outro tipo de mercado. "Na nossa região (Paraná), a gente tem pequena e média empresa que está buscando novos mercados, como pode fazer uma venda melhor. Já não há mais aquela obrigação de enviar um contêiner fechado, uma carreta fechada. Muitas vezes, a pessoa vai comprar uma caixa, duas caixas, meio contêiner, assim como ela compraria para testar o produto. A gente percebe que muitos compradores do Mercosul estão voltando a ter aquele contato pessoal, marcar reuniões, visitas para conhecer melhor o perfil da indústria no Brasil. Até para o exportador, a gente indica fazer uma visita ao país para o qual está vendendo."

A diretora da Tepcomex ressalta a importância de o empresário interessado em exportar pegar seu produto, viajar, verificar o mercado, fazer uma pesquisa de campo. Segundo ela, as pequenas e médias empresas estão tendo cada vez mais esse foco e percebendo que, até do pontode vista financeiro, essa opção é mais barata do que tentar abrir um mercado novo no Brasil. Karina diz que o incentivo do governo sempre existiu para exportação, um regime em que você não paga os impostos e ainda tem o crédito, só tem o Imposto de Renda e a Contribuição Social.

"Muitas poucas empresas e poucos contadores sabem que a empresa de regime Simples e microempresa também contam com esse benefício, menos o crédito, mas elas se beneficiam de não ter o imposto para exportação. Hoje, essa equivalência de carga tributária para exportação está reduzida. Não seria ela que poderia atrapalhar a venda, são outros fatores do Custo Brasil, como transporte, portuários. O micro e pequeno empresário tem uma competitividade tributária tão atrativa quanto a de uma empresa de regime normal. O problema maior é a logística."


Ver online : Sputnik Brasil

Notícias

Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada

site criado pela