Página inicial > Notícias > Decepções e poucos avanços na primeira semana da COP-19

Decepções e poucos avanços na primeira semana da COP-19

terça-feira 19 de novembro de 2013

Tufão nas Filipinas, recuos do Japão e da Austrália nas metas do Protocolo de Quioto, e dados do desmatamento no Brasil baixaram os ânimos da conferência do clima em Varsóvia. Nesta terça, ministros do Meio Ambiente iniciam rodada final do encontro.

A primeira semana da cúpula da Mudança Climática da ONU (COP-19), realizada em Varsóvia, foi marcada pelas lágrimas da delegação filipina por causa da destruição provocada pelo tufão "Haiyan", além de debates intermináveis, poucos avanços e três decepções, protagonizadas por Austrália, Japão e Brasil.
A COP-19 começou monopolizada por "Haiyan" e seus devastadores efeitos nas Filipinas, cuja delegação lembrou no início da reunião com emotivos discursos que terminaram em lágrimas e em um pedido desesperado de medidas urgentes para frear a mudança climática. "Esse sentimento de urgência com o qual começou a conferência se perdeu. Não se percebe entre as delegações um sentimento de que os problemas serão solucionados em breve", declarou à Agência Efe o diretor da delegação mexicana em Varsóvia, Roberto Dondisch, que afirma que há presentes que não têm pressa de chegar a acordos concretos, algo "muito arriscado". A informação é divulgada pelo Portal Terra, 17-11-2013.
"Se não se chega a acordos nestas cúpulas, vai se pôr em questão o próprio aparelho multilateral, o que privaria de voz muitos países afetados", lamentou Dondisch. O certo é que durante os primeiros dias nenhum país anunciou que aumentará seus cortes de emissões, mas todo o contrário: Japão e Austrália indicaram um retrocesso grave em seus objetivos e políticas anteriores, um balde de água fria para uma reunião sobre o clima da qual devem sair as bases para o futuro acordo de 2015.
O Japão decidiu reduzir apenas em 3,8% suas emissões de gás de efeito estufa para o ano 2020 a respeito de seus níveis de 2005, uma meta afastada dos 25% que o país asiático tinha anunciado na cúpula do clima de 2009 na Tailândia. Por sua parte, a Austrália só se compromete a reduzir em 5% as emissões de gases poluentes para o ano 2020. "Após uma semana os governos do mundo voltaram a decepcionar seus cidadãos na luta contra a catastrófica mudança climática e seus efeitos devastadores", afirmou o responsável do Greenpeace na COP-19, Martin Kaiser. "Em vez de deter os novos investimentos em mineração de carvão e extração de petróleo e aumentar o investimento em energias renováveis, Japão e Austrália não cumpriram os compromissos adquiridos voluntariamente", acrescentou. "Os anúncios do Japão e Austrália foram decepcionantes para a União Europeia (UE)", reconheceu à Efe uma fonte da delegação espanhola na cúpula.
O Brasil somou-se a essas decepções na quinta-feira passada, quando confirmou que sua taxa de desmatamento aumentou 23% no ano passado, um número inclusive superior ao esperado pelo governo. Enquanto isso, a UE segue dividida entre as energias renováveis e o peso das indústrias do carvão e a energia nuclear. Este é o cenário que encontrarão os ministros do Meio Ambiente que chegam a Varsóvia para participar da rodada final da cúpula, que começa nesta terça-feira, e que terão sobre a mesa as negociações sobre o financiamento de medidas para reduzir emissões de curto prazo, assim como a possibilidade de assumir objetivos de redução mais ambiciosos a partir de 2014. "Os ministros devem deter a espiral negativa que está marcando as conversas climáticas da ONU, apostar em energias renováveis, comprometer-se com objetivos de redução audazes e definir o financiamento de medidas contra a mudança climática que ajudem todo o mundo", declarou Kaiser. (Unisinos)

Notícias

Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada

site criado pela