Página inicial > Artigos > As MPEs ganham força. Mas é preciso avançar

Artigo

As MPEs ganham força. Mas é preciso avançar

segunda-feira 28 de julho de 2014, por Sergio Miletto

Um balanço do Sebrae sobre o papel dos pequenos negócios na economia brasileira mostra um importante desempenho do setor e boas perspectivas abertas com novas políticas, como a do Supersimples

Ao avaliar os avanços, o jornal Zero Hora, de Porto Alegre, aponta o fato de que, apesar das dificuldades enfrentadas por quem pretende se aventurar no mundo dos negócios no Brasil, há muitos exemplos bem-sucedidos. Não faz muito tempo, como lembra o jornal, o brasileiro abria um negócio quando não encontrava espaço no mercado de trabalho. Agora, a situação mudou. Sete pessoas em cada 10 começam um empreendimento por identificar uma demanda a ser explorada.
Já existem 9 milhões de micro e pequenas empresas no país, que representam 27% da riqueza nacional, ou seja, os pequenos negócios respondem por mais de um quarto do PIB brasileiro, conforme divulgou o Sebrae. O estudo mostra que, em valores absolutos, a produção gerada por essas empresas quadruplicou em duas décadas, de R$ 144 bilhões, em 2001, para R$ 599 bilhões de 2011.
As micros e pequenas empresas já respondem por 53,4% do PIB do comércio. No PIB da indústria, a participação das micro e pequenas (22,5%) se aproxima das médias empresas (24,5%). E no setor de serviços, mais de um terço da produção nacional (36,3%) têm origem nos pequenos negócios.
O jornal aponta que é preciso mais para assegurar esses empreendimentos, que empregam 52% da mão de obra formal e respondem por 40% da massa salarial. Para o presidente da Alampyme.BR, Sérgio Miletto, os resultados ainda são insuficientes para atender as necessidades do setor, mas já são "avanços que mostram que podemos mais".
Na notícia o Zero Hora, o presidente do Sebrae, Luiz Barreto, chama a atenção para a necessidade de melhora no ambiente de negócios, em especial após a criação do SuperSimples, e de aumento da escolaridade da população e expanção do mercado consumidor.
Com a ampliação do SuperSimples, o Brasil pode chegar a 9 milhões de empresas no Simples Nacional até agosto. E quando entrar em vigor a ampliação desse regime de tributação para mais de 140 categorias profissionais, cerca de 3 milhões de outras novas ou já existentes poderão se beneficiar.
A Alampyme.BR vê nessa ampliação um estímulo e oportunidades para que as MPÊs façam parcerias estratégicas que potencializem suas capacidades. "Está mais do que na hora de despertarmos o empreendedorismo de cada um dentro de novos paradigmas de produção e consumo", diz Miletto.
Os pequenos negócios, que estão em torno de 8,9 milhões de micro e pequenas empresas hoje representam na economia brasileira 27% do PIB, 52% dos empregos com carteira assinada e 40% dos salários pago.

Notícias

Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada

site criado pela